Início » Blog Layout 1 » Ter animal de estimação pode prevenir demência em idosos, diz estudo
Lifestyle

Ter animal de estimação pode prevenir demência em idosos, diz estudo

A solidão é um problema recorrente entre a população idosa, que se torna cada vez mais isolada do convívio social à medida que envelhece. Além de provocar sintomas de ansiedade, depressão e distúrbios de sono, a solitude está associada a um maior risco de desenvolver demência por conta da diminuição dos estímulos à atividade mental.

Um estudo feito por pesquisadores da Universidade Sun Yat-sen, na China, mostra mais evidências de que as pessoas que moram sozinhas mas vivem com animais de estimação podem ter um declínio cognitivo mais lento à medida que envelhecem.

Além de fazer companhia, a presença de um bichinho pode mantê-los mais ativos fisicamente, falantes e conectados com os vizinhos durante os passeios.

O estudo liderado pelo pesquisador de saúde pública Yanzhi Li foi publicado em dezembro de 2023 na revista científica Jama Network Open. Ele se junta às evidências de pesquisas anteriores, como uma do Instituto Metropolitano de Gerontologia de Tóquio, no Japão, onde cientistas afirmam que ter um cachorro em casa reduz o risco de idosos desenvolverem demência em até 40%.

Benefícios ao cérebro na companhia de um animal de estimação

No trabalho chinês, os cientistas analisaram dados de 7.945 residentes do Reino Unido com mais de 50 anos de idade. Eles estão inscritos no English Longitudinal Study of Aging (Elsa, na sigla em inglês), um estudo que acompanha a saúde física e cognitiva da população a longo prazo.

As informações sobre a presença de animais de estimação em casa foram coletadas entre junho de 2010 e julho de 2011, no quinto rastreamento do estudo Elsa. Os pesquisadores acompanharam as pontuações da função cognitiva dos participantes até julho de 2019, na nona fase da pesquisa.

Para os idosos que vivem com outras pessoas, ter um pet não fez diferença no declínio cognitivo. Por outro lado, entre os indivíduos que moram sozinhos, aqueles que têm a companhia de um bichinho apresentaram taxas mais lentas de declínio cognitivo em três campos primordiais – cognição verbal, memória verbal e fluência verbal – em comparação aos demais.

“Nossos resultados fornecem evidências mais fortes e percepções diferenciadas sobre os benefícios de ter animais de estimação na memória e fluência verbal entre adultos mais velhos que vivem sozinhos”, escrevem os pesquisadores no trabalho.

Os cientistas reconhecem que mais estudos são necessários para avaliar se a companhia de animais de estimação também contribui com outros aspectos da cognição, como atenção, raciocínio, velocidade de processamento, memória episódica e precisão.

O estudo também sugere envolver adultos mais velhos e grupos étnicos mais diversos em levantamentos futuros para compreender se esses grupos obtêm o mesmo benefício por possuir um animal de estimação.

O estudo Elsa não registrou dados sobre há quanto tempo as pessoas tinham os pets. Por isso, de acordo com os pesquisadores, não é possível afirmar se a adoção de um bichinho teria o mesmo efeito em retardar o declínio cognitivo em comparação a uma pessoa que convive com um animal há muitos anos.

Fonte: Metrópoles

About the author

Redação

Adicionar comentário

Clique aqui para postar um comentário